O Município de Arcos de Valdevez está a promover um plano de “valorização do potencial humano, valorização e recuperação do património natural e cultural, das atividades agroalimentares, bem como a promoção do turismo e a economia” do território a Oeste do concelho.

O plano de ação para o território de Santa Cruz “abrange as freguesias de Jolda Madalena e Rio Cabrão, Miranda, Monte Redondo, Padreiro Salvador e Santa Cristina, Cendufe, Rio Frio, Rio de Moinhos, Salvador, Vila Fonche e Parada, Senharei, Sabadim, Eiras e Mei, Padroso e Portela e Extremo”.

Em comunicado, o executivo revela que “Santa Cruz é a designação e imagem para esta área municipal onde se procura uma nova leitura e abordagem sobre as áreas Oeste de Arcos de Valdevez, balizadas de forma genérica, entre o Rio Vez e essa fronteira cardeal do concelho”.

“Assente na história milenar do antigo castelo medieval com o mesmo nome, Santa Cruz pretende recuperar a centralidade e a importância deste território, trazendo-o para a atualidade, unindo Homem, História, Natureza e Tradições”, adianta ainda a nota enviada às redações.

Segundo o executivo, “ao nível das ações a realizar estão previstas: a criação do CIFA –Centro de Interpretação da Flora Autóctone no viveiro de Grandachão, a criação da Quinta Ciência Viva – das Plantas e dos Aromas, em Monte Redondo, a valorização dos Fortes do Extremo, a criação da Porta do Castelo e do Jardim Botânico, e uma rede de trilhos e miradouros que abrange toda a área”.

“Está ainda prevista a realização de eventos culturais, tais como Música no Monte, um evento musical a decorrer em diversos locais, e “a Festa do Bibo, uma feira improvisada nas freguesias, para a valorização e comercialização de produtos e artesanato locais, bem como proporcionar uma experiência gastronómica e vínica única e inesquecível”.

A autarquia tem também pensada “A Aldeia das Artes, um evento em que se pretende trazer ao território manifestações artísticas de vários géneros, desde pintura à escultura, da fotografia ao teatro ou dança”.

“Também está previsto continuar com a iniciativa Arcos em Movimento, um programa de descentralização cultural pelas freguesias; a criação de uma residência artística de Bailado/ dança contemporânea, denominada de “Ó gente da Minha Terra”, assim como várias residências artísticas”, pode ainda ler-se.

A valorização do território de Santa Cruz foi apresentado às juntas de freguesias, e o executivo municipal aproveitou ainda para apresentar as “várias ações que já estão a decorrer e outras que estão em preparação, que evidenciam a vontade da Câmara Municipal e das autarquias de freguesia em valorizar e promover as potencialidades do território arcuense de Santa Cruz.

Categorias: Noticias